Setembrino Victorino Zanchet (em memória)

Setembrino Zanchet nasceu em Nova Bassan, Rio Grande do Sul, em 13 de setembro de 1927. Aos 13 anos, ingressou no Seminário Carlista em Guaporé, RS. Após, seguiu a Porto Alegre prestar concurso público para o Banco do Brasil, passando em primeiro lugar. Chegou em Chapecó, Santa Catarina, em 1952 para trabalhar na agência local onde atuou até 1971, quando foi transferido para Itaqui – no Rio Grande do Sul. Depois de Itaqui, ainda em terras gaúchas trabalhou em Sarandi e, por fim, na capital paranaense Curitiba, onde se aposentou. Depois de aposentado, estudou direito na Universidade Federal de Santa Catarina. Em 1988, foi convidado pelo Banco Central para ser interventor no antigo BESC – Banco do Estado de Santa Catarina.​ Segundo a esposa Noemia, Setembrino era uma pessoa ativa na sociedade chapecoense, participando de tudo que visava o desenvolvimento da cidade e das pessoas. Setembrino foi presidente do Clube Chapecoense de 1964 a 1965 e ativo participante do Rotary Clube. Atuou como voluntário no hospital Santo Antônio em Chapecó, fazendo a contabilidade. Ainda na instituição, na década de 1960, foi um dos mentores da horta do hospital, que fornecia as verduras para a alimentação dos internados. A Sociedade Amigos de Chapecó – SAC, constituída em 13 de setembro de 1966 teve Setembrino Zanchet como precursor. Na época, sentia-se a necessidade de criar uma Comissão Central com Estatuto e Gestão independente do poder público, que tivesse como objetivo central o desenvolvimento da cidade e a organização dos festejos do cinquentenário de Chapecó. Setembrino também se responsabilizou pela preparação e coordenação da primeira edição da Exposição-feira Agropecuária, Industrial e Comercial de Chapecó – EFAPI, realizada em 25 de agosto de 1967. Em entrevista ao Jornal Elo Cooperativo de setembro de 1987, Zanchet manifestou sua opinião em relação a Alfa. “O seu sucesso tem contribuído decisivamente para a consolidação do sistema cooperativista em todo o Estado de Santa Catarina e, muito especialmente, para apagar da mente dos agricultores todos os preconceitos anti-cooperativistas, criados em consequência de insucessos anteriores e outras regiões. Eu, que conheço o cooperativismo dos três estados do Sul, posso testemunhar que o êxito do cooperativismo no Oeste catarinense, liderado pela Cooperalfa, tem influenciado positivamente a credibilidade e a potencialidade do movimento cooperativista e ainda se constitui num paradigma merecedor de encômios por todos os que se dedicam a agropecuária. Por isso, não é sem razão que sentimos orgulho da Cooperalfa todos nós que, de uma forma ou de outra, participamos de sua vida” . Casado com Noemia Ninpha Zanchet, Setembrino teve seis filhos. Faleceu em Curitiba no dia 22 de novembro de 1998, deixando um legado incomensurável para o cooperativismo. Noemia faleceu em 2016.