Site em Manutenção

2008/2015 Compra de estruturas da Cooper Sul

Para chegar ao sul catarinense a partir do oeste, um dos caminhos mais conhecidos é a espetacular Serra do Rio do Rastro, considerada uma das estradas mais bonitas do Planeta; sem falar na magnífica Serra do Corvo Branco, nos esplêndidos cânions e nas belas praias que moldam a paisagem da região e atraem turistas do mundo inteiro. Com forte colonização italiana e alemã, o sul catarinense tem no extrativismo mineral, na indústria cerâmica e de plástico suas principais atividades econômicas. O cuidado com a preservação das tradições e da história, com destaque para a cidade de Laguna, faz com que a região seja uma das rotas turísticas com legado patrimonial histórico mais procuradas do Brasil. A região também é grande produtora de leite. Em 2017, Braço do Norte passou a ser considerada, via projeto de lei aprovado no Senado, a Capital Nacional do Gado Jersey. Não podemos deixar de mencionar a
grande produção de suínos, especialmente de leitões. Foi nessa conjuntura que, em 2008, passou a atuar a Cooperalfa. A pedido de produtores de suínos sul-catarinenses, gestores da cooperativa foram ouvir as necessidades locais, especialmente dos suinocultores, que estavam descontentes com a atuação de algumas empresas e procuravam um parceiro com credibilidade no mercado. Depois de escutar os produtores e conhecer o potencial da região, especialmente para produção de leitões, a diretoria da Alfa começou a estudar as melhores possibilidades de instalar uma filial. A opção foi a locação de uma das estruturas da Cooper Sul, que passava por dificuldades.
Gilberto Fontana, gerente de controladoria Alfa, explica que a entrada da Alfa na região sul do estado de Santa Catarina foi decorrente de uma combinação de dificuldades e interesses. Esse processo consistiu basicamente de duas etapas: “Inicialmente foi estruturada uma equipe capaz de atrair o produtor com os valores e a credibilidade da cooperativa. Num segundo momento, alinhamos estratégias de negociação para sanar o quanto antes possível a condição da antiga cooperativa, adquirindo parte de seu patrimônio, onde hoje está instalada a filial de Braço do Norte.” Eudes Biavatti, primeiro gerente comercial de Braço do Norte, hoje sediado em Erechim, lembra que não foi muito fácil a instalação da Alfa nessa região: “Teve uma empresa
que chegou a ligar para nosso presidente pedindo para não integrarmos alguns produtores que tinham uma longa história com ela, mas que estavam insatisfeitos com a forma como eram tratados. Foi um trabalho árduo, mas conseguimos sucesso. Não há dinheiro que pague a relação de confiança que construímos com os associados e clientes.”

A família Wiggers, de Braço do Norte, ressalta que o maior diferencial do cooperativismo desenvolvido pela Alfa está no diálogo e na disponibilização de assistência técnica. Ao referirem-se à empresa para a qual entregavam a produção de suínos antes da chegada da Alfa, contam: “Antes da Alfa, a empresa que comprava nossa produção mandava aqui o técnico só de vez em quando fazer uma visita e impor mudanças. Com a cooperativa é diferente, temos uma parceria boa. Não tem esse negócio de chegar dizendo ‘Vocês vão fazer assim porque é melhor’. Geralmente a gente conversa sobre possíveis mudanças; então a decisão não é só do lado da cooperativa e nem só do lado do produtor: é conjunta.” As deliberações feitas de maneira coletiva beneficiam a todos, e são esses preceitos que orientam o trabalho da Cooperalfa. A família Wensing, de Armazém, entende que deve haver fidelidade e lealdade por parte do associado à cooperativa: “Acreditamos que o cooperativismo ajuda a regular o preço do mercado. Nem sempre é lua de mel: muitas vezes,
quando o mercado está em alta, as outras empresas acabam pagando mais; mas na hora da crise, quando os outros abaixam o preço e às vezes nem querem o produto, a cooperativa mantém um valor justo e garante a compra.” Com loja agropecuária, recebimento de grãos e estrutura de armazenagem, a Alfa firmou os pés definitivamente no sul ao comprar a estrutura em 2015. Hoje a filial está entre as de maior faturamento da cooperativa, com boas perspectivas de crescimento e confiança fortalecida. É dessa região que saem muitos leitões que abastecem as parcerias em várias regiões da Alfa.

 

Ir para o Topo