Aury Luiz Bodanese (em memória)

Aury Luiz Bodanese nasceu no dia 03 de julho de 1934, em Linha Tapir, Barão do Cotegipe, Rio Grande do Sul. Casou-se com Zelinda Santa Catarina Bodanese, com quem teve quatro filhos. Faleceu em 30 de janeiro de 2003, em Chapecó-SC. Presidente de honra da Cooperalfa, Bodanese, em 1º de setembro de 1997, recordou a história de fundação da cooperativa e falou da influência do Banco do Brasil nesse processo. “O então gerente Setembrino Zanchet foi peça principal na reestruturação da Alfa, foi ele que alavancou a ideia do cooperativismo na região Oeste”. Aury explicou que o Banco do Brasil, encarregado de executar o preço mínimo na região, comprar e comercializar a produção agrícola, não tinha estrutura para isso. Zanchet recorda que, na década de 1960, o Banco fazia as operações de AGF (Aquisição do Governo Federal), atendendo, entre outras demandas, até da armazenagem. “Era muito trabalhoso, e o ganho não compensava”, garantiu. “Para se ter uma ideia, em 1965, compramos 300 mil sacas de feijão e 800 mil sacas de milho. Imaginem o trabalho que isso gerou ao Banco”, lembrou Zanchet.  Visando suprir essa necessidade, Zanchet batalhou para reativar o sistema cooperativista, que já havia iniciado na região, porém sem êxito. Antes da Cooperalfa, de 1961 a 1964, funcionou a Cooperativa Tritícola Oeste Catarinense Ltda, com sede na rua Nereu Ramos em Chapecó. E de 1964 até a fundação da Cooperativa Agropastoril Chapecó Ltda – 1967 (antigo nome da Cooperalfa), não existia cooperativa. “A tentativa com a Tritícola havia fracassado”, acrescentou Bodanese. Em 1965, Zanchet começou a fomentar na região a ideia de criar uma cooperativa, que cuidasse das atividades agropecuárias, de forma mais eficiente que o Estado. Com o apoio da Acaresc, Setembrino coordenou inúmeras reuniões na região, que culminaram, em 1967, com a I Efapi realizada em Chapecó. O então gerente do banco garantiu que o envolvimento comunitário gerado por esta feira foi tão grande, que estimulou, em outubro de 1967, a estruturação da Cooperativa Mista Agropastoril de Chapecó Ltda. Aury recordou que, quando convidado por Setembrino para dirigir a Cooperativa, era depositário do Banco do Brasil. “Na ocasião em que o gerente propôs a missão, eu já estava acertando minhas contas com a agência e ia me mudar para São Paulo. No início, fiquei em dúvida, mas Zanchet foi insistente e, depois de muita conversa, fui convencido. Setembrino lembrou que, de fato, no início, Aury não queria topar a empreitada. “Porém, precisávamos de uma cabeça com experiência e ele era a pessoa ideal, pois tinha um excelente conceito perante todos. “A seriedade de Bodanese foi fundamental nesses primeiros passos”, disse Zanchet.​