Hermínio Tissiani (em memória)

Nascido no município gaúcho de Guaporé, em 3 de junho de 1908, Hermínio Tissiani morou em Sarandi, até transferir-se com a família para Chapecó, em 1947. No entanto, as atividades madeireiras da família iniciaram ainda na década de 1930, no Passo Bormann e em Guatambu. Na época, Chapecó era uma imensa floresta de araucárias. “Quando andávamos a cavalo, encontrávamos nas trilhas do caminho pinheiros caídos com mais de um metro de espessura. O cavalo quase não conseguia atravessar. Eu tinha que puxar o animal e meu companheiro vinha atrás para fazê-lo seguir”, conta Tissiani. De 1960 a 1964, no Governo de João Goulart, Hermínio foi presidente do Instituto Nacional do Pinho (INP), que mais tarde passou a ser denominado Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal (IBDF), o atual Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA). Tissiani recorda com nostalgia das florestas nativas da região. Tempo em que os macacos pulavam de copa em copa, acompanhando os cavaleiros. Tissiani foi um dos mentores do projeto da Reserva Florestal de Chapecó. Sua primeira experiência com o cooperativismo ocorreu na Cooperativa Madeireira do Vale do Uruguai Ltda, atuando como diretor comercial, em 1965. Entusiasta do cooperativismo, estava muito confiante ao aceitar participar do projeto de criação de uma cooperativa agropecuária. Via que a cooperativa tinha futuro e seria uma alavanca de desenvolvimento da região. O nome de Hermínio Tissiani consta na primeira ata da Cooperchapecó. Foi um sócio atuante durante toda sua vida. Casado com Itália Busatto Tissiani, Hermínio teve oito filhos. Faleceu em 05 de maio de 2000, aos 91 anos. ​A esposa de Hermínio, Itália Tissiani, em entrevista ao jornal O Cooperalfa disse brincando: “Na época que meu marido era presidente do Instituto do Pinho, eu era a primeira dama do nó”. E quando falou sério afirmou que a cooperativa é um banco para a agricultura. “Eu acho formidável o associado poder depositar a produção e esperar preço para vender, ter assistência técnica de graça, informações de mercado e ainda a comodidade de ter à disposição na cooperativa quantidade e qualidade de insumos”.